Hoje
Últimas

Maku de Almeida

Maku de Almeida
Analista transacional. Escreve aos domingos.
25/2/2024

Educar filhos: entre o amor pleno e as sombras da criança interna

Educar filhos: entre o amor pleno e as sombras da criança interna

Última atualização
25/2/2024 17:49
Maku de Almeida
Analista transacional. Escreve aos domingos.

<span class="abre-texto">Algo que sempre me atrai a atenção</span> são os comportamentos humanos. Curiosa desde sempre, fico a imaginar como foi a infância deste, daquele, do outro. O que será que aconteceu para gerar adequações e inadequações? Como eram os pais, a família, em que contexto cresceram estes seres, às vezes tão perdidos pelo caminho?

Parentalizar é o grande desafio para todos os envolvidos na empreitada. E é um grande acontecimento da vida, para o qual muito raramente nos preparamos. Mães e pais, cada um com seu pacotinho de repertório vivido, entranhado nas vísceras, recebem o bebezinho estreante na vida, um ilustre desconhecido.

Maku de Almeida
:
Colulista aborda a intricada jornada de parentalidade, mergulhando nas emoções intensas e desafios enfrentados pelos pais ao equilibrar suas necessidades com as dos filhos.
18/2/2024

Discussão pós-filme revela complexidade das percepções humanas

Discussão pós-filme revela complexidade das percepções humanas

Última atualização
18/2/2024 12:36
Maku de Almeida
Analista transacional. Escreve aos domingos.

Ao sair do cinema, conversando despretensiosamente com minha filha enquanto atravessávamos o shopping vazio no início da madrugada, fui surpreendida pela percepção desta mulher linda ao meu lado. Ela e eu preenchemos as lacunas que o filme não contemplou de modo particularíssimo e decidimos, a respeito da personagem central, culpa ou não.

Ainda envolvida com o filme, de que gostei imenso, eu assobiava o belíssimo noturno de Chopin, trilha sonora da relação da personagem e seu filho. Acho estes momentos que esticam a experiência espetaculares.

Maku de Almeida
:
Após um filme, uma mãe e sua filha engajam-se em diálogos que ampliam suas percepções sobre arte e vida. A experiência instiga reflexões sobre relações humanas e o papel da arte em moldar nossa visão do mundo, ressaltando o valor do diálogo na compreensão da complexidade humana.
12/2/2024

A atriz, as redes, os filtros e a violência

Foto de Julia Roberts revela as sombras do mundo virtual

Última atualização
12/2/2024 17:55
Maku de Almeida
Analista transacional. Escreve aos domingos.

A cena é linda. Duas mulheres, ambas brilhando a alegria de um momento compartilhado. Há detalhes na cena que encantam. Os sorrisos, o relaxamento evidente daqueles encontros de alma. Tia e sobrinha, banhadas pelo sol, sem pretensão de nada além de celebrar a presença uma da outra. Não há retoque, nem filtro – uma cena doméstica, registrada para memória de bons e belos momentos.

Publicada, a fotografia gerou uma cascata de observações negativas a respeito da aparência da tia. Julia Roberts, na sua lindeza madura, recebeu implacáveis chicotadas virtuais. Como este ícone se atreve a envelhecer? Como pode não estar todo o tempo maquiada e pronta para o consumo ilusório das telonas?

Maku de Almeida
:
Episódio destaca o duro julgamento virtual sobre o envelhecimento e a busca por uma imagem perfeita. O artigo reflete sobre o impacto negativo das redes na autoestima e na percepção da beleza real.
4/2/2024

E, assim, vamos nos alimentando de estrelas

E, assim, vamos nos alimentando de estrelas; um mergulho na experiência

Última atualização
12/2/2024 16:53
Maku de Almeida
Analista transacional. Escreve aos domingos.

Céu azul aqui na Vila, lavado por uma chuva barulhenta e escandalosa que, como chegou, se foi, distraída, como se nada tivesse acontecido.

Nas últimas semanas, desde o início do ano novo, basta uma distração para que os habitantes do meu condomínio mental iniciem uma conversa animada sobre idade, tempo, futuro e, sim, a morte.

Maku de Almeida
:
Após chuva na Vila, reflexões sobre vida e tempo surgem. Dialogando com vozes internas, o texto incentiva a valorizar o presente e antecipar um futuro rico em experiências. Uma jornada de apreciação pela vida é revelada, promovendo vivência plena e autêntica.
28/1/2024

Histórias da vida são dobras para um origami que se pode gostar

Histórias da vida são dobras para um origami que se pode gostar

Última atualização
4/2/2024 19:48
Maku de Almeida
Analista transacional. Escreve aos domingos.

Quando as pessoas me conhecem, veem minha imagem no presente e interpretam (mesmo inconscientemente) meus gestos, sons e expressões. Minha história está ali, precisamente naqueles gestos, sons e expressões – e em muitos outros aspectos ocultos, dos quais não me recordo.

Esse conjunto que se apresenta é uma espécie de “produto final”, formado a partir de incontáveis marcas e vincos. Quem observa a imagem, contudo, não pode adivinhar as marcas.

Maku de Almeida
:
Autora mergulha na complexidade dos vincos emocionais que formam o "produto final" de nossa existência. Reflete sobre como os traumas e experiências moldam gestos e comportamentos, muitas vezes de maneira invisível.
21/1/2024

Assassinatos motivados por política expõem entranhas da manipulação

Assassinatos motivados por política expõem entranhas da manipulação

Última atualização
28/1/2024 16:22
Maku de Almeida
Analista transacional. Escreve aos domingos.

A mentira que mata. Ao longo desta semana, mais de uma vez, este tema esteve presente nas minhas reflexões, de muitas e tantas maneiras. A minha criança interior, que aprecia um pensamento mágico, sussurra neste momento: parece que seu pensamento magnetiza a realidade, e eventos engatilhados por mentiras são apresentados publicamente.

Em um momento como notícia, em outro como reflexão filosófica, em alguns para alongar a rede com mais mentiras.

Maku de Almeida
:
Influenciado por mentiras e manipulações políticas, um agricultor agiu sob a falsa crença de que o governo recém-eleito arruinaria sua vida. Os dois assassinatos que cometeu ressaltam a poderosa influência da desinformação e como ela pode levar a atos extremos de violência.
14/1/2024

A solidão e as palavras

Descoberta do 'sentimento oceânico' abre caminho para vida além dos livros

Última atualização
21/1/2024 17:06
Maku de Almeida
Analista transacional. Escreve aos domingos.

Desde criança, por razões que entendo hoje, meu refúgio era o mundo da fantasia. Quando neste recanto chegou o ato de ler, ficou ainda mais potente e reconfortante. Um pouco antes da adolescência, um par de óculos veio compor o cenário – junto a estes, a função de cuidar para que não se quebrassem.

Assim, enquanto meus colegas jogavam durante o recreio, eu podia ser encontrada na biblioteca do colégio, farta em literatura religiosa – tempos em que pensei em ser santa. Não funcionou!

Maku de Almeida
:
A leitura foi um refúgio para uma criança solitária, cercada de livros e histórias. Esta narrativa pessoal percorre sua trajetória, desde o fascínio por obras religiosas até a descoberta de um sentido.
10/1/2024

Novo ano inspira reflexões sobre Ikigai e busca por propósito de vida

Novo ano inspira reflexões sobre Ikigai e busca por propósito de vida

Última atualização
14/1/2024 11:21
Maku de Almeida
Analista transacional. Escreve aos domingos.

Em uma reflexiva manhã de ano novo, a autora Maku de Almeida se embrenha numa jornada introspectiva, ponderando sobre Ikigai e o significado da vida. Entre memórias de leituras e observações pessoais, ela explora o conceito de Ikigai, um guia para encontrar propósito e direção.

O relato envolvente não apenas questiona a existência, mas também inspira os leitores a refletirem sobre suas próprias vidas, buscando um caminho repleto de paixão, missão, vocação e profissão. Um convite à introspecção e ao fortalecimento interior para enfrentar o mundo com clareza e determinação.

Maku de Almeida
:
Em uma reflexiva manhã de ano novo, a autora se embrenha numa jornada introspectiva, ponderando sobre Ikigai e o significado da vida. Entre memórias de leituras e observações pessoais, ela explora o conceito de Ikigai, um guia para encontrar propósito e direção.
18/12/2023

Encontros sinceros e presença importam mais de lembranças e comida

Encontros sinceros e presença importam mais de lembranças e comida

Última atualização
10/1/2024 14:59
Maku de Almeida
Analista transacional. Escreve aos domingos.

Sob uma abóbada cinza, aqui na Vila, teto de nuvens que não me canso de admirar, reverberam em meu pensamento episódios e textos pelos quais corri o olhar ao longo da semana.

As celebrações de fim de ano já anunciam sua chegada – ruas, lojas e casas vestidas a caráter. E os eventos começam a se desenrolar, repetindo rituais já muitas vezes vividos. Nos relatos e fotografias, os cenários são semelhantes, mas as pessoas mudam. Brindes, presentes trocados e comidas podem confundir, misturando-se à celebração de encontros e convivências reais.

Maku de Almeida
:
A analista traz reflexões sobre as celebrações de fim de ano. Ela destaca os encontros genuínos, que eclipsam presentes e banquetes, e pondera sobre a importância da reconciliação.
10/12/2023

Palavra 'bisturi' pode cortar para ferir e, quase sempre, não representa a melhor alternativa

Palavra 'bisturi' pode cortar para ferir e, quase sempre, não representa a melhor alternativa

Última atualização
18/12/2023 0:04
Maku de Almeida
Analista transacional. Escreve aos domingos.

Muitas vezes, perguntam-me se estes cuidados devem ser adotados o tempo todo com todas as pessoas. Respondo que acredito em um “adestramento” do nosso cérebro, feito aos poucos, e que também aos poucos vai nos dando a liberdade extraordinária da escolha. Sem pensar, nosso falar carrega junto aspectos que são exclusivos do diálogo interno – calibrar este diálogo é o ganho colateral deste falar sintonizado.

Converter palavras bisturis em palavras pontes não significa omissão ou um esquivar de responsabilidades – quaisquer que sejam. É escolher a dialógica simétrica, é escolher não ferir, é escolher deixar lembranças e não cicatrizes.

Maku de Almeida
:
A analista transacional explora a profunda influência das palavras nas relações humanas, enfatizando a necessidade de falar com cuidado e consciência.

Cidade Capital é um projeto de jornalismo.

47.078.846/0001-08

secretaria@cidade.capital