Últimas

Jane Hir

Jane Hir
Mestra em Educação (UFPR); Professora de língua portuguesa; Especialista em Educação de Jovens e Adultos; Facilitadora de Práticas Restaurativas — Eseje (2017) e SCJR/Coonozco (2018); Especialista em Práticas Restaurativas, com enfoque em Direitos Humanos (PUCPR); Especialista em Neurociências, Psicologia Positiva e Mindfulness (PUCPR).
20/4/2024

'Memórias de chá', novo livro do CIS, ganha vida com homenagens e relatos

'Memórias de chá', novo livro do CIS, ganha vida com homenagens e relatos

Já faz algum tempo (acredito que esse seja um presente do envelhecimento) que venho aprendendo a saborear os momentos vividos. É como se relesse com atenção uma parte da história que ainda estou construindo.

Há duas semanas, escrevi sobre a apresentação do livro Memórias de chá, escrito pelas educandas do Centro de Integração Social (CIS). Nesse evento, uma cena se destaca entre as minhas lembranças: a diretora da unidade presta uma linda homenagem ao seu pai para representar, naquele momento, o leitor.

Por que é importante
:
O lançamento de "Memórias de chá" no CIS trouxe uma homenagem tocante, refletindo sobre a escrita como legado pessoal e coletivo.
13/4/2024

Círculos Restaurativos são prática social que une gerações

Círculos Restaurativos são prática social que une gerações

Nos projetos que tenho e que ainda insistem em acordar em mim, apesar dos meus 68 anos, um deles é o de ampliar a minha atuação nos cursos de Comunicação Não-Violenta e na aplicação de uma metodologia de trabalho em grupo que traz em sua filosofia o germe da comunicação compassiva: o Círculo de Construção de Paz ou Círculo Restaurativo, como também é conhecido.

Aprendi a ler e a escrever em uma roda. Sentada em círculo com meus irmãos e irmãs, ouvíamos enlevados as histórias que a nossa avó contava. Todos os dias à tardinha, ela sentava a netarada nos grandes bancos de madeira dispostos em roda na varanda da casa para nos ensinar a ler o mundo.

Por que é importante
:
Aos 68 anos, uma educadora se dedica a expandir os Círculos Restaurativos e de Construção de Paz, métodos que fortalecem laços comunitários e a comunicação não-violenta. Inspirada pelas histórias da avó, ela usa essa prática ancestral para enfrentar a desconexão moderna.
6/4/2024

'Memórias de chá': detentas lançam livro e emocionam público

'Memórias de chá': detentas lançam livro e emocionam público

Como educadora do sistema prisional há dez anos, tenho presenciado, das mais diversas maneiras, a complexidade do humano que nos habita. Maravilhamento é a palavra que me define quando constato que em um lugar tão improvável como o espaço prisional a ternura teima em brotar.

O projeto O verde que cura realizado em 2023 no Centro de Integração Social (CIS) — com alunas de Ensino Fundamental e Médio teve como produto final a produção de um livro de memórias intitulado Memórias de chá.

Jane Hir
:
No projeto "O verde que cura", detentas do Centro de Integração Social escrevem "Memórias de chá", um livro que narra suas jornadas de vida, superação e humanização dentro do presídio.
30/3/2024

Valor simbólico da educação é eclipsado por condições materiais adversas

Valor simbólico da educação é eclipsado por condições materiais adversas

Semana tensa e intensa. Sou professora da rede estadual de ensino desde 1998. Na semana que passou, entre muitos acontecimentos difíceis, a visualização impressa dos proventos a serem recebidos após a aposentadoria me deixou um gosto amargo na boca.

Ao ver a minha vida profissional de quase 30 anos de docência avaliada com um valor insuficiente para os recursos básicos da sobrevivência, um filme passou em minha cabeça: o penoso processo formativo realizado já na fase adulta, cuidando sozinha da casa e do filho, as inúmeras horas de planejamento, a carga horária de trabalho, muitas vezes em três turnos, a multidão de crianças, jovens e adultos que atendi...

Jane Hir
:
Educadores, ricos em impacto, enfrentam proventos que negam sua grandeza. A luta por reconhecimento material evidencia a discrepância entre o valor simbólico e a realidade, clamando por uma reavaliação da valorização da docência.
23/3/2024

ONG na África revela valor inesperado da comunicação face a face

ONG na África revela valor inesperado da comunicação face a face

É muito cedo ainda, e no meu caminho para o trabalho, observo a multidão que passa absorta no mundo formatado da telinha, hoje quase uma extensão do corpo curvado, impedido de ver a vida ao redor.

Em meio à profusão de recursos comunicativos e da troca desenfreada de mensagens em diferentes plataformas padecemos da escassez do encontro.

Jane Hir
:
Um projeto de poços na África destaca o valor dos encontros reais. A decisão de uma aldeia de preservar conversas ao buscar água no rio inspira a busca por conexões autênticas e a importância da escuta.
16/3/2024

Maria, da invisibilidade ao protagonismo em sala de aula

Maria, da invisibilidade ao protagonismo em sala de aula

Eu estava ajeitando o meu material de trabalho quando ela chegou na sala, anunciando: "Professora, eu vim pra escola mas não sei nada. Eu sou especial. Não sei ler... não sei nada!". Olhei curiosa para a voz forte que se apresentava assim, sem aparente humilhação ou timidez. Ela estava ali, inteira, sem máscaras. Uma mulher negra, bonita e alegre, nos mostrando o que sabia de si. Sim, eu pensei, de imediato, você é especial!

Curiosa, me aproximei dela. Fiz algumas perguntas às quais ela respondia rindo: "Não sei, professora". Mas sabia que seu sobrenome era do avô porque ela não conhecia o pai. E ao contar isso, ela soletrou devagar seu sobrenome e o fez com a reverência de quem ostenta um troféu.

Jane Hir
:
No coração do sistema prisional, uma professora e suas alunas desbravam os caminhos do acolhimento e da superação. Ao se deparar com Maria, uma mulher que acreditava não saber nada, descobrem juntas o poder da educação e do reconhecimento mútuo.
9/3/2024

O dia após o Dia da Mulher: o que há além das flores e chocolates

O dia após o Dia da Mulher: o que há além das flores e chocolates

Costumo não dar muita importância às datas comemorativas. Desce que eu era criança, elas me parecem um tanto estranhas: um dia para homenagear os pais, outro para as mães, um dia para lembrar dos indígenas e outro para os livros e assim o calendário nos apresenta a cada mês ideias a serem pensadas...

Como professora, nunca pautei a minha prática docente pelas datas e confesso, até me irritava, às vezes, ao ter que interromper uma sequência didática para incluir o tema imposto por uma data de maior relevância social e não ficar de fora das discussões do grupo.

Jane Hir
:
Professora compartilha sua visão sobre o impacto das datas comemorativas em nossa sociedade e prática educativa. Especificamente em relação ao Dia Internacional da Mulher, questiona se essas celebrações não nos dão uma falsa sensação de dever cumprido.
2/3/2024

Do medo à esperança, a redescoberta de espaços de poder

Do medo à esperança, a redescoberta de espaços de poder

Na semana passada eu compareci, como acompanhante de uma pessoa intimada, a uma audiência na 2ª Vara Descentralizada do Boqueirão – Vara de Família.

Espaços públicos institucionais são notadamente espaços de poder e, para as classes menos favorecidas, transitar nesses espaços é, muitas vezes, penoso. Apesar da minha trajetória acadêmica e do conhecimento dos meus direitos, esses espaços costumam acordar em mim memórias de exclusão e até de medo.

Jane Hir
:
Durante uma audiência na 2ª Vara Descentralizada do Boqueirão, o relato de uma pessoa acompanha a transformação de suas percepções sobre espaços institucionais.
24/2/2024

Memórias de infância e o cuidado invisível do amor materno

Memórias de infância e o cuidado invisível do amor materno

Tenho visto recentemente nas redes sociais muitas alusões, feitas por pais ou avós carinhosos, a respeito da construção de boas memórias nas crianças. Tenho certeza da importância desse cuidado. Eu mesma coleciono lembranças que me vivificam como goles de água fresca na travessia dos momentos de aridez.

No entanto, percebi que nas muitas lembranças que tenho contado, poucas vezes aparece a minha mãe. Onde ela estava? A pergunta inesperada ecoa dentro de mim... Ela não contava histórias, não sentava pra brincar conosco. Ah! Em um relance consigo encontrá-la areando as panelas amassadas pelo uso e colocando-as orgulhosamente ao sol.

Jane Hir
:
Autora reflete sobre a importância de reconhecer e valorizar as diferentes linguagens do amor, especialmente em tempos modernos onde o tempo parece escasso.
17/2/2024

Entre caixas e lembranças, uma jornada de reinvenção pessoal se desdobra

Entre caixas e lembranças, uma jornada de reinvenção pessoal se desdobra

O que vai para a nova casa? O que vai ficar? Quais as medidas que devem ser tomadas? De que eu preciso me desapegar? O que cabe lá? O que eu preciso adquirir? Como vou organizar os novos espaços? Quem vai me auxiliar nesse processo? Quem pode me visitar a qualquer hora, mesmo que esteja tudo virado de pernas pro ar?

E depois, quando o transporte é finalizado, é preciso paciência para ir conhecendo as peculiaridades do novo local: as escadas que me recordam outros tempos, o armário desnecessário, a urgência de uma cortina nova, a possibilidade de ter os recursos do cotidiano mais bem dispostos, a alegria quase esquecida de secar as roupas ao sol...

Estreia de Jane Hir
:
Nova colunista compartilha sua experiência de mudança de residência, entrelaçando-a com reflexões sobre desapego, redescobertas e a reinvenção de si mesma.

Cidade Capital é um projeto de jornalismo.

47.078.846/0001-08

secretaria@cidade.capital