Corrida para a Prefeitura de Curitiba

Opinião

Wine Cott: um encontro de alma, vinho e poesia

Wine Cott une pessoas para compartilhar vinho e experiências de vida.Wine Cott une pessoas para compartilhar vinho e experiências de vida.
Antenna
/
Unsplash
Jane Hir

Primeiro, o convite carinhoso. À espera de uma brecha na agenda lotada, o desejo de conhecer um outro grupo crescia. De repente, o compromisso que impedia a minha ida foi desfeito. Ah! Posso ir! Ainda me quer? E em troca recebi um canto de alvorecer:

– Clarooooo!

Fui recebida por olhos brilhantes e abraços completos, desses que envolvem o corpo como ninhos na plena aceitação do que você é, sem restrições. Eu ainda estranho abraços assim e ainda me pergunto: isso tudo é pra mim mesma?

Aos poucos, fui vendo que sim. Tanto amor, tanta ternura era de todos e para todos. O espaço foi pensado para acolher, envolver e permitir a cada um a sua própria expressão. Nas mesas os vasos de hortelã e manjericão, os delicados quitutes, as taças e pratos sobre o rendado do crochê... Tudo recendia o perfume da acolhida.

E chegavam felizes os convidados… chegavam sabendo que eram esperados. Chegavam conscientes de que aquele era um espaço de SER. Vinham de diversos lugares e nos diferentes momentos do trajeto de suas vidas, sabiam que ali haveria algo em comum: o partilhar da vida.

As conversas fluíram nos cantos da mesa como riachos abertos em direção ao oceano, enredados no canto do encanto que nos unia… Análises psicanalíticas se abraçaram a poemas e piadas, dúvidas existenciais regadas a vinho e ao som de canções..

O encontro, chamado carinhosamente de “WINE cott” (neologismo do grupo que une o vinho ao estudo de Winnecott) assim como no filme “A festa de Babette”, transcorreu como um ritual de consagração à estética da vida em todas as suas nuances. O pão, presença marcante na mesa farta de outras delícias, me fez lembrar a canção:

“Debulhar o trigo

Recolher cada bago do trigo

Forjar no trigo o milagre do pão

E se fartar de pão…”

Tenho tido a honra de transitar em espaços como esse em que estive na semana passada. Espaços que brotam como olhos d’água na aridez do caminho. Espaços de voo e canto que nos conduzem de volta a nossa essência e que nos fazem arautos de um novo tempo:

Viver é o Milagre! Vivamos!

Última atualização
25/5/2024 14:58
Jane Hir
Mestra em Educação (UFPR); Professora de língua portuguesa; Especialista em Educação de Jovens e Adultos; Facilitadora de Práticas Restaurativas — Eseje (2017) e SCJR/Coonozco (2018); Especialista em Práticas Restaurativas, com enfoque em Direitos Humanos (PUCPR); Especialista em Neurociências, Psicologia Positiva e Mindfulness (PUCPR).

Gravidez entre vítimas de estupro pode aumentar com PL do aborto

Gravidez entre vítimas de estupro pode aumentar com PL do aborto

Redação Cidade Capital
14/6/2024 10:10

Entre 1º de janeiro e 13 de maio de 2024, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque 100). A média foi de cerca de 60 casos por dia ou dois registros por hora, segundo a Agência Brasil.

Esses números podem piorar com a aprovação do Projeto de Lei 1.904/2024 e também aumentar os casos de gravidez indesejável entre crianças e adolescentes, especialmente meninas vítimas de estupro em situação de vulnerabilidade social. O alerta é de movimentos sociais e instituições que repudiam a proposta de alteração do Código Penal Brasileiro.

Dia mundial do doador de sangue: o que é preciso para doar

Dia mundial do doador de sangue: o que é preciso para doar

Redação Cidade Capital
14/6/2024 9:31

A auxiliar administrativa Larissa Régis, de 24 anos, doou sangue pela primeira vez aos 18 anos. “Fui motivada pelo desejo de ajudar as pessoas e fazer a diferença na vida do próximo. A ideia de que uma simples ação poderia salvar vidas foi um grande incentivo para mim”, diz Larissa.

Desde então, a jovem faz pelo menos uma doação de sangue por ano e planeja se tornar uma doadora regular para ajudar a manter os estoques em dia. “Acho muito importante manter esse compromisso. A ideia de ter uma carteirinha de doador é algo que me atrai, já que facilita o acompanhamento e reforça minha responsabilidade com a causa”, explica.

Opinião

Wine Cott: um encontro de alma, vinho e poesia

Wine Cott une pessoas para compartilhar vinho e experiências de vida.Wine Cott une pessoas para compartilhar vinho e experiências de vida.
Antenna
/
Unsplash
Jane Hir
Mestra em Educação (UFPR); Professora de língua portuguesa; Especialista em Educação de Jovens e Adultos; Facilitadora de Práticas Restaurativas — Eseje (2017) e SCJR/Coonozco (2018); Especialista em Práticas Restaurativas, com enfoque em Direitos Humanos (PUCPR); Especialista em Neurociências, Psicologia Positiva e Mindfulness (PUCPR).
25/5/2024 14:58
Jane Hir

Primeiro, o convite carinhoso. À espera de uma brecha na agenda lotada, o desejo de conhecer um outro grupo crescia. De repente, o compromisso que impedia a minha ida foi desfeito. Ah! Posso ir! Ainda me quer? E em troca recebi um canto de alvorecer:

– Clarooooo!

Fui recebida por olhos brilhantes e abraços completos, desses que envolvem o corpo como ninhos na plena aceitação do que você é, sem restrições. Eu ainda estranho abraços assim e ainda me pergunto: isso tudo é pra mim mesma?

Aos poucos, fui vendo que sim. Tanto amor, tanta ternura era de todos e para todos. O espaço foi pensado para acolher, envolver e permitir a cada um a sua própria expressão. Nas mesas os vasos de hortelã e manjericão, os delicados quitutes, as taças e pratos sobre o rendado do crochê... Tudo recendia o perfume da acolhida.

E chegavam felizes os convidados… chegavam sabendo que eram esperados. Chegavam conscientes de que aquele era um espaço de SER. Vinham de diversos lugares e nos diferentes momentos do trajeto de suas vidas, sabiam que ali haveria algo em comum: o partilhar da vida.

As conversas fluíram nos cantos da mesa como riachos abertos em direção ao oceano, enredados no canto do encanto que nos unia… Análises psicanalíticas se abraçaram a poemas e piadas, dúvidas existenciais regadas a vinho e ao som de canções..

O encontro, chamado carinhosamente de “WINE cott” (neologismo do grupo que une o vinho ao estudo de Winnecott) assim como no filme “A festa de Babette”, transcorreu como um ritual de consagração à estética da vida em todas as suas nuances. O pão, presença marcante na mesa farta de outras delícias, me fez lembrar a canção:

“Debulhar o trigo

Recolher cada bago do trigo

Forjar no trigo o milagre do pão

E se fartar de pão…”

Tenho tido a honra de transitar em espaços como esse em que estive na semana passada. Espaços que brotam como olhos d’água na aridez do caminho. Espaços de voo e canto que nos conduzem de volta a nossa essência e que nos fazem arautos de um novo tempo:

Viver é o Milagre! Vivamos!

Jane Hir
Mestra em Educação (UFPR); Professora de língua portuguesa; Especialista em Educação de Jovens e Adultos; Facilitadora de Práticas Restaurativas — Eseje (2017) e SCJR/Coonozco (2018); Especialista em Práticas Restaurativas, com enfoque em Direitos Humanos (PUCPR); Especialista em Neurociências, Psicologia Positiva e Mindfulness (PUCPR).
Última atualização
25/5/2024 14:58

Gravidez entre vítimas de estupro pode aumentar com PL do aborto

Redação Cidade Capital
14/6/2024 10:10

Entre 1º de janeiro e 13 de maio de 2024, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque 100). A média foi de cerca de 60 casos por dia ou dois registros por hora, segundo a Agência Brasil.

Esses números podem piorar com a aprovação do Projeto de Lei 1.904/2024 e também aumentar os casos de gravidez indesejável entre crianças e adolescentes, especialmente meninas vítimas de estupro em situação de vulnerabilidade social. O alerta é de movimentos sociais e instituições que repudiam a proposta de alteração do Código Penal Brasileiro.

Dia mundial do doador de sangue: o que é preciso para doar

Redação Cidade Capital
14/6/2024 9:31

A auxiliar administrativa Larissa Régis, de 24 anos, doou sangue pela primeira vez aos 18 anos. “Fui motivada pelo desejo de ajudar as pessoas e fazer a diferença na vida do próximo. A ideia de que uma simples ação poderia salvar vidas foi um grande incentivo para mim”, diz Larissa.

Desde então, a jovem faz pelo menos uma doação de sangue por ano e planeja se tornar uma doadora regular para ajudar a manter os estoques em dia. “Acho muito importante manter esse compromisso. A ideia de ter uma carteirinha de doador é algo que me atrai, já que facilita o acompanhamento e reforça minha responsabilidade com a causa”, explica.