Corrida para a Prefeitura de Curitiba

Opinião

I Mostra de Gravura e sua influência para a história da gravura de Curitiba

I Mostra de Gravura e sua importância para a cidade de Curitiba.I Mostra de Gravura e sua importância para a cidade de Curitiba.
Divulgação
/
Casa da Gravura, 1979.
Gracon

O projeto de um salão de arte dedicado especialmente para gravura já existia no final da década de 60 em Curitiba, pensado por Ennio Marques Ferreira, que foi diretor do Departamento de Cultura da Secretaria de Educação e Cultura do Governo do Paraná e eventualmente diretor da Fundação Cultural de Curitiba juntamente com Fernando Calderari.

A Mostra em si foi realizada com apoio da Fundação Cultural de Curitiba e do Instituto Nacional de Artes Plásticas da Funarte, sediada no Centro de Criatividade, localizado no Parque São Lourenço, e contou com 45 gravadores brasileiros que apresentaram um total 134 trabalhos de gravura. Dentro dos artistas convidados pela Fundação 15 deles foram premiados pelo júri participante, totalizando mais de 100 mil cruzeiros distribuídos (hoje R$36,36). A exposição ficou aberta ao público durante 28 dias, de 23 de novembro de 1978 a 18 de dezembro do mesmo ano.

Uma contrapartida da I mostra foi o I Seminário de Gravura sediado também no Centro de Criatividade em 2 dias de discussões e debates sobre o futuro da gravura e como se desenvolveria em Curitiba. Ao final do seminário foram publicadas reivindicações que enfatizavam a regulamentação, divulgação e preservação da gravura no Brasil, além de um abaixo-assinado que se concentrou em 3 demandas muito importantes.

As exigências feitas foram:

  1. As Mostras de Gravuras deveriam ser realizadas anualmente;
  2. Junto à Mostra seria realizado um encontro entre gravadores, artistas, críticos, colecionadores e quem mais tivesse interesse;
  3. Que os pedidos de um espaço museológico de Gravura se realizem na capital, para que não perdessem o acervo já adquirido durante a I Mostra. (Freitas, 2014)  

Após o término da Mostra, o principal objetivo foi cumprir com as exigências propostas pelo I Seminário, mas em 1979 houve a troca de prefeitos em Curitiba. Assumia o governo municipal  Jaime Lerner e Ennio Marques deixava a fundação cultural, dando início aos atrasos do futuro Museu da Gravura.

Dizem que a gravadora Fayga Ostrower teria pedido pessoalmente um espaço dedicado à gravura para Lerner, o sensibilizando para dar continuidade ao projeto inicial. Sérgio Mercer que agora ocupava o antigo cargo de Marques foi o responsável pela desenvolvimento do projeto a seguir, junto à política Lidia Dely, que teria simpatizado com a história do Barão do Serro Azul e levou adiante a proposta de colocar o Museu da Gravura em sua antiga casa, o Solar do Barão. Desse modo, em 1980, começam as obras para acomodarem o futuro Museu de Gravura, e seus futuros ateliês e salas de exposições. (Freitas, 2014)  

Enquanto o Solar estava em obras, a II Mostra foi sediada no Centro de Criatividade novamente, mas logo em novembro de 1980 o Museu da Gravura seria parcialmente inaugurado com o acontecimento da III Mostra de Gravura da cidade. Em 1982 com a V Mostra, ela passa a ser Bienal e Pan-americana, dando uma maior margem de tempo para o melhor planejamento e dando boas-vindas a uma grande onda de novos artistas que trariam suas gravuras para a cidade de Curitiba.

I Seminário de Gravura, Centro de Criatividade, 1978.

Vimos que graças a I Mostra ainda temos grandes oportunidades para a gravura, como os ateliês e cursos que acontecem no Solar do Barão, além do Museu, que expõe anualmente a nova geração de gravadores que tempo após tempo não deixam a gravura ser apagada da história, dando um novo significado para o que é gravura em nosso mundo contemporâneo.

Por Larissa Caroline de Carvalho.

Última atualização
26/4/2024 14:13
Gracon
Grupo de pesquisa em Gravura Contemporânea da Universidade Estadual do Paraná (Unespar).

Wine Cott: um encontro de alma, vinho e poesia

Wine Cott: um encontro de alma, vinho e poesia

Jane Hir
25/5/2024 14:58

Primeiro, o convite carinhoso. À espera de uma brecha na agenda lotada, o desejo de conhecer um outro grupo crescia. De repente, o compromisso que impedia a minha ida foi desfeito. Ah! Posso ir! Ainda me quer? E em troca recebi um canto de alvorecer:

– Clarooooo!

Feridas emocionais podem afetar saúde mental e bem-estar

Feridas emocionais podem afetar saúde mental e bem-estar

Carolina Schmitz da Silva
25/5/2024 12:17

Uma noite aparentemente tranquila, com potencial de aproveitamento total para o descanso e reposição de energia, de repente é interrompida por um pesadelo. Um pesadelo envolvendo pessoas, sentimentos, situações de anos atrás, deveria ficar lá, quando ocorreu, volta com tanta força, que o sono vai embora.

Ter falado nas pessoas, dias antes, possivelmente ativou áreas do meu cérebro, que fez com que essas memórias invadissem um momento tão precioso, meu sono sagrado. Quem me conhece, sabe que amo dormir e ter uma boa noite de sono é imprescindível para o meu dia fluir. 

Opinião

I Mostra de Gravura e sua influência para a história da gravura de Curitiba

I Mostra de Gravura e sua importância para a cidade de Curitiba.I Mostra de Gravura e sua importância para a cidade de Curitiba.
Divulgação
/
Casa da Gravura, 1979.
Gracon
Grupo de pesquisa em Gravura Contemporânea da Universidade Estadual do Paraná (Unespar).
19/4/2024 10:13
Gracon

I Mostra de Gravura e sua influência para a história da gravura de Curitiba

O projeto de um salão de arte dedicado especialmente para gravura já existia no final da década de 60 em Curitiba, pensado por Ennio Marques Ferreira, que foi diretor do Departamento de Cultura da Secretaria de Educação e Cultura do Governo do Paraná e eventualmente diretor da Fundação Cultural de Curitiba juntamente com Fernando Calderari.

A Mostra em si foi realizada com apoio da Fundação Cultural de Curitiba e do Instituto Nacional de Artes Plásticas da Funarte, sediada no Centro de Criatividade, localizado no Parque São Lourenço, e contou com 45 gravadores brasileiros que apresentaram um total 134 trabalhos de gravura. Dentro dos artistas convidados pela Fundação 15 deles foram premiados pelo júri participante, totalizando mais de 100 mil cruzeiros distribuídos (hoje R$36,36). A exposição ficou aberta ao público durante 28 dias, de 23 de novembro de 1978 a 18 de dezembro do mesmo ano.

Uma contrapartida da I mostra foi o I Seminário de Gravura sediado também no Centro de Criatividade em 2 dias de discussões e debates sobre o futuro da gravura e como se desenvolveria em Curitiba. Ao final do seminário foram publicadas reivindicações que enfatizavam a regulamentação, divulgação e preservação da gravura no Brasil, além de um abaixo-assinado que se concentrou em 3 demandas muito importantes.

As exigências feitas foram:

  1. As Mostras de Gravuras deveriam ser realizadas anualmente;
  2. Junto à Mostra seria realizado um encontro entre gravadores, artistas, críticos, colecionadores e quem mais tivesse interesse;
  3. Que os pedidos de um espaço museológico de Gravura se realizem na capital, para que não perdessem o acervo já adquirido durante a I Mostra. (Freitas, 2014)  

Após o término da Mostra, o principal objetivo foi cumprir com as exigências propostas pelo I Seminário, mas em 1979 houve a troca de prefeitos em Curitiba. Assumia o governo municipal  Jaime Lerner e Ennio Marques deixava a fundação cultural, dando início aos atrasos do futuro Museu da Gravura.

Dizem que a gravadora Fayga Ostrower teria pedido pessoalmente um espaço dedicado à gravura para Lerner, o sensibilizando para dar continuidade ao projeto inicial. Sérgio Mercer que agora ocupava o antigo cargo de Marques foi o responsável pela desenvolvimento do projeto a seguir, junto à política Lidia Dely, que teria simpatizado com a história do Barão do Serro Azul e levou adiante a proposta de colocar o Museu da Gravura em sua antiga casa, o Solar do Barão. Desse modo, em 1980, começam as obras para acomodarem o futuro Museu de Gravura, e seus futuros ateliês e salas de exposições. (Freitas, 2014)  

Enquanto o Solar estava em obras, a II Mostra foi sediada no Centro de Criatividade novamente, mas logo em novembro de 1980 o Museu da Gravura seria parcialmente inaugurado com o acontecimento da III Mostra de Gravura da cidade. Em 1982 com a V Mostra, ela passa a ser Bienal e Pan-americana, dando uma maior margem de tempo para o melhor planejamento e dando boas-vindas a uma grande onda de novos artistas que trariam suas gravuras para a cidade de Curitiba.

I Seminário de Gravura, Centro de Criatividade, 1978.

Vimos que graças a I Mostra ainda temos grandes oportunidades para a gravura, como os ateliês e cursos que acontecem no Solar do Barão, além do Museu, que expõe anualmente a nova geração de gravadores que tempo após tempo não deixam a gravura ser apagada da história, dando um novo significado para o que é gravura em nosso mundo contemporâneo.

Por Larissa Caroline de Carvalho.

Gracon
Grupo de pesquisa em Gravura Contemporânea da Universidade Estadual do Paraná (Unespar).
Última atualização
26/4/2024 14:13

Wine Cott: um encontro de alma, vinho e poesia

Jane Hir
25/5/2024 14:58

Primeiro, o convite carinhoso. À espera de uma brecha na agenda lotada, o desejo de conhecer um outro grupo crescia. De repente, o compromisso que impedia a minha ida foi desfeito. Ah! Posso ir! Ainda me quer? E em troca recebi um canto de alvorecer:

– Clarooooo!

Feridas emocionais podem afetar saúde mental e bem-estar

Carolina Schmitz da Silva
25/5/2024 12:17

Uma noite aparentemente tranquila, com potencial de aproveitamento total para o descanso e reposição de energia, de repente é interrompida por um pesadelo. Um pesadelo envolvendo pessoas, sentimentos, situações de anos atrás, deveria ficar lá, quando ocorreu, volta com tanta força, que o sono vai embora.

Ter falado nas pessoas, dias antes, possivelmente ativou áreas do meu cérebro, que fez com que essas memórias invadissem um momento tão precioso, meu sono sagrado. Quem me conhece, sabe que amo dormir e ter uma boa noite de sono é imprescindível para o meu dia fluir. 

Cidade Capital é um projeto de jornalismo.

47.078.846/0001-08

secretaria@cidade.capital