Corrida para a Prefeitura de Curitiba

Opinião

Existir através da arte: gravuras ativistas exploram temática LGBTQIAP+

'Invisibilidade Não', de Werner Krüger, demonstra a importância da arte ativista para visibilidade LGBTQIAP+.'Invisibilidade Não', de Werner Krüger, demonstra a importância da arte ativista para visibilidade LGBTQIAP+.
Werner Krüger
/
Acervo pessoal
Werner Krüger, Detalhe de “Bring Back My Girls”, 2021. Xilogravura sobre papel. Dimensão da matriz: 20 cm x 20 cm. Dimensão da folha: 30 cm x 40 cm.
Gracon
1/3/2024 10:22

Este texto abordará gravuras que tenho realizado desde 2020 na técnica de xilogravura com temática LGBTQIAP+, em repúdio ao elevado índice de mortes desta população em nosso país, que é o maior do mundo. De acordo com o Grupo Gay da Bahia (GGB) e a Aliança Nacional LGBTI+, por exemplo, no ano de 2021, ocorreu uma morte a cada 29 horas.

Mostrarei, na sequência, como essa parcela da população é invisibilizada e marginalizada por causa do preconceito. Abordarei também as problemáticas que me fizeram realizar as imagens, bem como os métodos adotados e as dificuldades encontradas durante o processo de criação.

Invisibilidade Não

A série de xilogravuras Invisibilidade Não foi criada a partir do desejo de dar visibilidade a uma parcela da população que, de fato, parece não existir. Pessoas para quem as ruas, a escola e até mesmo o ambiente familiar não são, com frequência, espaços seguros.

Alguns temas trabalhados nas gravuras da série são a existência conflituosa entre o corpo e a imagem, os olhares de julgamento e as notícias de que pessoas LGBTQIAP+ foram espancadas ou mortas. Ao realizar os desenhos e, depois, o entalhe da madeira para a confecção da matriz, tive uma sensação de que aquelas imagens não deveriam ser produzidas, mas logo passou, pois a proposta era justamente esta: mostrar, dar visibilidade.

Arte e LGBTQIAP+

Nos anos 1960, a cultura pop é apropriada pelo mundo da arte, levando os críticos da época a definirem os artistas dessa nova onda como “novos vulgares”, “mastigadores de chicletes” e “delinquentes rebaixando a arte ao nível de não arte”. Diante do cenário pluricultural que as grandes metrópoles apresentavam, a comunidade gay começava a ser vista de outra forma e, assim, os jovens homossexuais, do mesmo modo que os heterossexuais, buscavam uma identidade cultural própria, por meio da música, da moda e do vocabulário. Apesar dessa abertura, os novos bares gays foram construídos nas periferias, longe das famílias “de bons costumes” — é nesse contexto que as drag queens ressurgem.

Uma drag queen é uma personagem, não uma orientação sexual, nem uma identidade de gênero (equivale ao “T”, de travestis, ao lado de transgêneros e transsexuais, da sigla LGBTQIAP+). Assim, mesmo que as drags circulem e se apresentem, em sua maioria, em ambientes de cultura gay, a forma artística em si que configuram não está diretamente relacionada ao conceito de identidade de gênero ou orientação sexual.

Werner Krüger, Detalhe de Drag queen, 2021. Xilogravura sobre papel. Dimensão da matriz: 20 cm x 20 cm. Dimensão da folha: 30 cm x 40 cm.

As fontes artísticas e obras produzidas

Minhas principais referências para a produção da série Invisibilidade Não foram Torii Kiyonaga e Linga Acácio. Kiyonaga trabalhou com a técnica de xilogravura japonesa conhecida como Ukiyo-e. Destaco, em especial, as expressões irônicas das personagens no díptico Mulheres no Bairro dos Prazeres, datado entre o fim do século XVIII e início do XIX. Acácio, por sua vez, aborda em sua obra a dissidência de gênero e as implicações entre corpo e espaço nos processos de resistência, de modo a expandir noções do humano que marginalizam vivências não hetero, não branca e não cis.

Torii Kinoyaga, da série de xilogravur​​as Coleção de belezas modernas dos bairros dos prazeres, 1783.

Outra inspiração para a realização da série foi o artista Francisco de Goya y Lucientes, que não se eximiu, no século XVIII, de retratar as mazelas sociais. Na série de gravuras Os Caprichos, por exemplo, ele misturou com ironia cenas do cotidiano da Espanha setecentista e figuras mitológicas, como demônios e bruxas.

Francisco de Goya y Lucientes, Detalhe da gravura 68 da série Os Caprichos, Linda Maestria!, água-tinta, 1796 - 1797. Museu do Prado, Madri.

Minhas gravuras Esquartejado no cimento, bem como Perfurações de faca e marca de um X nas costas, foram realizadas para demonstrar a violência contra os grupos LGBTQIAP+ no Brasil. Sim, aqui existe homotransfobia e ela mata. A criação das imagens se deu a partir de notícias e reportagens em que LGBTQIAP+ foram brutalmente assassinados. As obras Drag kings e Crossdressers também representam a existência dessas pessoas, que estão em nossa sociedade há séculos, como mostram histórias das mitologias grega, nórdica e hindu, entre muitas outras.

Werner Krüger, Detalhe de Perfurações de faca e marca de “X” nas costas, 2021. Xilogravura sobre papel. Dimensão da matriz: 20 cm x 20 cm. Dimensão da folha: 30 cm x 40 cm.
Werner Krüger, Detalhe de Crossdressers, 2021. Xilogravura sobre papel. Dimensão da matriz: 20 cm x 20 cm. Dimensão da folha: 30 cm x 40 cm.

A série Invisibilidade Não libertou-me ao me permitir falar sobre a pluralidade, chamando, de algum modo, a atenção para a urgência de políticas públicas que incluam os diversos grupos minoritários e garantam pautas fundamentais que os protejam por lei. Por isso, não podemos nos deixar invisibilizar! A arte é luta, é política e nunca para, está em constante transformação. Criar essas gravuras foi transmitir um conhecimento de existência e um sentido de pertencimento.

Por Werner Krüger.

Última atualização
1/3/2024 16:37
Gracon
Grupo de pesquisa em Gravura Contemporânea da Universidade Estadual do Paraná (Unespar).

'Memórias de chá', novo livro do CIS, ganha vida com homenagens e relatos

'Memórias de chá', novo livro do CIS, ganha vida com homenagens e relatos

Jane Hir
20/4/2024 9:27

Já faz algum tempo (acredito que esse seja um presente do envelhecimento) que venho aprendendo a saborear os momentos vividos. É como se relesse com atenção uma parte da história que ainda estou construindo.

Há duas semanas, escrevi sobre a apresentação do livro Memórias de chá, escrito pelas educandas do Centro de Integração Social (CIS). Nesse evento, uma cena se destaca entre as minhas lembranças: a diretora da unidade presta uma linda homenagem ao seu pai para representar, naquele momento, o leitor.

Pateta no trânsito: reflexões sobre raiva e autocontrole

Controlar o 'Pateta interno' pode transformar sua condução

Carolina Schmitz da Silva
20/4/2024 9:08

Na minha infância, lembro-me de assistir ao filme do Pateta no trânsito, uma animação da Disney na qual ele se transforma em uma pessoa raivosa ao dirigir. Aquela mudança de humor ao entrar em um carro me impressionava profundamente.

Agora, como adulta, vejo-me controlando meu Pateta interno e, em alguns momentos, percebo sua força crescer enquanto dirijo. Tendo consciência de quando ele domina, reconheço quão inadequado ele é.

Cidade Capital é um projeto de jornalismo.

47.078.846/0001-08

secretaria@cidade.capital