Corrida para a Prefeitura de Curitiba

Opinião

Confronto entre estudantes em faculdade paulista acende debate sobre limites

Incidente de agressão entre estudantes em faculdade paulista levanta debate sobre os limites do diálogo e a gestão de conflitos na educação.Incidente de agressão entre estudantes em faculdade paulista levanta debate sobre os limites do diálogo e a gestão de conflitos na educação.
Arte Cidade Capital
/
Adobe Firefly
Áurea Moneo
15/11/2023 14:11

<span class="abre-texto">Trago como pauta um episódio juvenil</span> que, hoje, pode ser visto até como banal. Isso ocorre porque muitos outros, bem mais impactantes, passaram a fazer parte do nosso cotidiano. Ainda assim, especialmente quando nos afeta de perto, traz uma inquietação do tipo: “para onde estamos caminhando?”. O fato é um recorte de uma cena inusitada em sala de aula, numa renomada faculdade paulista. Duas garotas discutem, uma dá um soco na outra, e a professora chama a polícia.

Discussões fazem parte da vida, sabemos disso. Jovens tendem a ser mais aguerridos em suas posições, mas o desfecho suscita reflexões importantes.

Primeiro, o que leva um adolescente a perder sua capacidade de dialogar com o outro? A renunciar à interlocução saudável, que, mesmo divergente e acalorada, é uma importante característica dessa fase da vida? Resta a esse jovem, como alternativa, uma atitude tão regressiva e irrefletida, conhecida como acting out, um agir impensado e incontrolado, para fora.

Depois, como as instituições lidam com questões como essas, já que precisam recorrer a uma autoridade formal constituída, no caso, literalmente o poder da polícia, por não se autorizarem a assumir o controle da situação?

Não seria esperado que adultos, suficientemente preparados, buscassem acalmar as partes, chamando-as à razão, como forma de resgatar a lucidez, por meio da interdição da atitude inadequada?

É assim que aprendemos a educar crianças que se engalfinham: separando-as e conversando com elas. Aquelas jovens universitárias, naquele episódio, comportaram-se, sem dúvida, como crianças.

Se, enquanto protagonistas, perdemos facilmente o controle, então nos acovardamos, sem coragem de agir, no sentido de resgatar o interdito, o limite. O bom senso para lidar com o desagradável que vem de fora está intimamente relacionado com a incapacidade interna de suportar as próprias angústias. Observamos também o declínio de nosso papel de mediadores, agora reduzidos a meros espectadores.

É importante refletirmos sobre o quanto estamos impactados pela escalada da violência. O que nos leva a nos tornarmos reféns da hostilidade que aflora nos ambientes, bloqueando nossa capacidade de avaliar riscos reais e, por vezes, de incentivar o resgate do diálogo? Quando possível, a conversa é algo imprescindível para a vida em sociedade.

Será que essa é uma boa posição para nos colocarmos? Fica aqui uma provocação.

Última atualização
19/12/2023 11:42
Áurea Moneo
Pós-graduada em A Psicanálise do Século XXI, pela Fundação Armando Alvares Penteado (Faap); pós-graduada em Psicanálise, pela Faculdade Álvares de Azevedo (Faatesp); Formação em Psicanálise, pelo Instituto Superior de Psicanálise de Brasília. Outras formações acadêmicas: pós-graduada em Marketing, pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM); pós-graduada em Administração, pela Fundação Getulio Vargas de São Paulo; graduada em Arquitetura, pelo Mackenzie. Responsável pela gestão organizacional e pedagógica do Centro de Formação em Psicanálise Clínica – Illumen, com sede em São Paulo, desde 2010. Leciona Psicanálise, com notória especialidade, responsável pela preparação psicanalítica de novos alunos e professores do Illumen. Atua na clínica psicanalítica desde 2001.

Pateta no trânsito: reflexões sobre raiva e autocontrole

Controlar o 'Pateta interno' pode transformar sua condução

Carolina Schmitz da Silva
20/4/2024 9:08

Na minha infância, lembro-me de assistir ao filme do Pateta no trânsito, uma animação da Disney na qual ele se transforma em uma pessoa raivosa ao dirigir. Aquela mudança de humor ao entrar em um carro me impressionava profundamente.

Agora, como adulta, vejo-me controlando meu Pateta interno e, em alguns momentos, percebo sua força crescer enquanto dirijo. Tendo consciência de quando ele domina, reconheço quão inadequado ele é.

I Mostra de Gravura e sua influência para a história da gravura de Curitiba

I Mostra de Gravura e sua influência para a história da gravura de Curitiba

Gracon
19/4/2024 10:13

O projeto de um salão de arte dedicado especialmente para gravura já existia no final da década de 60 em Curitiba, pensado por Ennio Marques Ferreira, que foi diretor do Departamento de Cultura da Secretaria de Educação e Cultura do Governo do Paraná e eventualmente diretor da Fundação Cultural de Curitiba juntamente com Fernando Calderari.

A Mostra em si foi realizada com apoio da Fundação Cultural de Curitiba e do Instituto Nacional de Artes Plásticas da Funarte, sediada no Centro de Criatividade, localizado no Parque São Lourenço, e contou com 45 gravadores brasileiros que apresentaram um total 134 trabalhos de gravura.

Cidade Capital é um projeto de jornalismo.

47.078.846/0001-08

secretaria@cidade.capital