Corrida para a Prefeitura de Curitiba

Opinião

Compreender o passado ajuda a construir um presente consciente

Reflexões sobre como nossas decisões e circunstâncias moldam nossa vida atual, revelando a importância de compreender o passado para construir um futuro.Reflexões sobre como nossas decisões e circunstâncias moldam nossa vida atual, revelando a importância de compreender o passado para construir um futuro.
Vinícius Sgarbe
/
Adobe Firefly
Maku de Almeida

<span class="abre-texto">Uma sequência de decisões</span> me trouxe até aqui. Nem todas foram boas ou sensatas. Algumas foram realmente muito ruins. Gosto muito deste "aqui" e fico tentada a pensar: eu chegaria até aqui por outro caminho? Há coisas que ainda quero iluminar. Não me falta coragem. Mas há grandes e sensacionais conquistas. Portanto, gratidão ao aqui. Pois o lá já virou pó.

A respeito disso, um filósofo espanhol que eu aprecio sem moderação, José Ortega y Gasset, em seu livro Meditaciones del Quijote, diz: “eu sou eu e minha circunstância e se não salvo a ela, não salvo a mim".

Preciso saber que a pessoa que chega até aqui, no presente, é consequência de todos os eventos, contextos, história, cultura com os quais estive direta ou indiretamente conectada. Aspectos associados aos meus pensamentos, sensações, emoções, sentimentos, ações, relacionamentos, aprendizados – fornecem fragmentos que compõe este mosaico dinâmico do meu eu. Talvez um caleidoscópio seja mais representativo do que um mosaico, pois a composição não é estática.

Os pequenos pedaços de experiências irão se compondo em formações mutatis mutandis de modo a atender aos diferentes estímulos. Inúmeros arranjos, automáticos na essência e nem sempre adequados para atendimento da demanda imediata, uma vez que a atualização necessária pode não ter acontecido.

Uma vez que ainda não podemos nos transportar através do tempo, o que é uma pena – (eu gostaria demais de visitar o meu passado com a consciência de hoje!), a tarefa que se apresenta é conhecer os fragmentos das experiências, seus impactos e significados. A partir do conhecimento compreender e fortalecer a decisão de novas alternativas do viver e do viver com.

Compreender a mim mesma significa compreender as minhas circunstâncias e os significados que atribui, ao longo da minha caminhada a cada uma, além dos comportamentos associados e consequentes.

E hei de honrá-las, a cada circunstância percebida, para em algum momento adotar outros padrões de pensamentos e comportamentos.

Tenho consciência que a compreensão não se dará integralmente. Há aspectos da nossa experiência vivida que não estarão registrados na memória ou registrados visceralmente, o que permite escapar da visão mais lúcidas dos acontecimentos. Uma boa parte das circunstâncias estarão no mundo do inconsciente. Emergirão aqui e acolá, ou permanecerão reprimidos às vezes pela vida afora.

Assim, preciso lidar com o que se apresenta, com a capacidade de compreensão que tenho no presente o que pode gerar subsídios para pequenas decisões, acesso a pequenas e novas alternativas e, principalmente, a possibilidades de desfazer nós e emaranhamentos que consomem tempo!

Tempo! Esta variável inegociável que perdida não retorna. Resolver e assentar nossas circunstâncias pode nos permitir transitar pelas novas circunstâncias sem o “elástico” que nos arrasta para o passado, nos arrancando abruptamente do presente e da visão lúcida da realidade objetiva.

Cada entendimento atualizado pode abrir portas para relacionamentos mais fluidos e ações mais coerentes e honestas. Compreender o meu funcionamento também pode gerar um olhar de compreensão às circunstâncias do outro e me dará recursos para saber o que fazer com o que se apresenta.

À medida em que identifico e entendo circunstâncias e sentidos, ampliarei o acesso à realidade objetiva. Hora de me dedicar a entender e envergar o meu propósito. Poderei então balizar minhas decisões a partir do quanto se aproximam ou distanciam do sentido central da minha vida. Dádiva! Uma construção de todos os dias, de decisão deliberada pela consciência.

Do meu propósito faz parte não ser refém das circunstâncias que não me pertencem, ou valores que violam meus princípios, ou ações que me constrangem, ou violências de qualquer natureza. Quanto mais consciente estiver, mais capaz serei de identificar e me aproximar ou fugir de circunstâncias que fortaleçam ou fragilizem meu propósito.

Última atualização
23/5/2024 17:05
Maku de Almeida
Analista transacional. Escreve aos domingos.

Gravidez entre vítimas de estupro pode aumentar com PL do aborto

Gravidez entre vítimas de estupro pode aumentar com PL do aborto

Redação Cidade Capital
14/6/2024 10:10

Entre 1º de janeiro e 13 de maio de 2024, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque 100). A média foi de cerca de 60 casos por dia ou dois registros por hora, segundo a Agência Brasil.

Esses números podem piorar com a aprovação do Projeto de Lei 1.904/2024 e também aumentar os casos de gravidez indesejável entre crianças e adolescentes, especialmente meninas vítimas de estupro em situação de vulnerabilidade social. O alerta é de movimentos sociais e instituições que repudiam a proposta de alteração do Código Penal Brasileiro.

Dia mundial do doador de sangue: o que é preciso para doar

Dia mundial do doador de sangue: o que é preciso para doar

Redação Cidade Capital
14/6/2024 9:31

A auxiliar administrativa Larissa Régis, de 24 anos, doou sangue pela primeira vez aos 18 anos. “Fui motivada pelo desejo de ajudar as pessoas e fazer a diferença na vida do próximo. A ideia de que uma simples ação poderia salvar vidas foi um grande incentivo para mim”, diz Larissa.

Desde então, a jovem faz pelo menos uma doação de sangue por ano e planeja se tornar uma doadora regular para ajudar a manter os estoques em dia. “Acho muito importante manter esse compromisso. A ideia de ter uma carteirinha de doador é algo que me atrai, já que facilita o acompanhamento e reforça minha responsabilidade com a causa”, explica.

Opinião

Compreender o passado ajuda a construir um presente consciente

Reflexões sobre como nossas decisões e circunstâncias moldam nossa vida atual, revelando a importância de compreender o passado para construir um futuro.Reflexões sobre como nossas decisões e circunstâncias moldam nossa vida atual, revelando a importância de compreender o passado para construir um futuro.
Vinícius Sgarbe
/
Adobe Firefly
Maku de Almeida
Analista transacional. Escreve aos domingos.
19/5/2024 16:26
Maku de Almeida

Eu e minhas circunstâncias à busca de propósito

<span class="abre-texto">Uma sequência de decisões</span> me trouxe até aqui. Nem todas foram boas ou sensatas. Algumas foram realmente muito ruins. Gosto muito deste "aqui" e fico tentada a pensar: eu chegaria até aqui por outro caminho? Há coisas que ainda quero iluminar. Não me falta coragem. Mas há grandes e sensacionais conquistas. Portanto, gratidão ao aqui. Pois o lá já virou pó.

A respeito disso, um filósofo espanhol que eu aprecio sem moderação, José Ortega y Gasset, em seu livro Meditaciones del Quijote, diz: “eu sou eu e minha circunstância e se não salvo a ela, não salvo a mim".

Preciso saber que a pessoa que chega até aqui, no presente, é consequência de todos os eventos, contextos, história, cultura com os quais estive direta ou indiretamente conectada. Aspectos associados aos meus pensamentos, sensações, emoções, sentimentos, ações, relacionamentos, aprendizados – fornecem fragmentos que compõe este mosaico dinâmico do meu eu. Talvez um caleidoscópio seja mais representativo do que um mosaico, pois a composição não é estática.

Os pequenos pedaços de experiências irão se compondo em formações mutatis mutandis de modo a atender aos diferentes estímulos. Inúmeros arranjos, automáticos na essência e nem sempre adequados para atendimento da demanda imediata, uma vez que a atualização necessária pode não ter acontecido.

Uma vez que ainda não podemos nos transportar através do tempo, o que é uma pena – (eu gostaria demais de visitar o meu passado com a consciência de hoje!), a tarefa que se apresenta é conhecer os fragmentos das experiências, seus impactos e significados. A partir do conhecimento compreender e fortalecer a decisão de novas alternativas do viver e do viver com.

Compreender a mim mesma significa compreender as minhas circunstâncias e os significados que atribui, ao longo da minha caminhada a cada uma, além dos comportamentos associados e consequentes.

E hei de honrá-las, a cada circunstância percebida, para em algum momento adotar outros padrões de pensamentos e comportamentos.

Tenho consciência que a compreensão não se dará integralmente. Há aspectos da nossa experiência vivida que não estarão registrados na memória ou registrados visceralmente, o que permite escapar da visão mais lúcidas dos acontecimentos. Uma boa parte das circunstâncias estarão no mundo do inconsciente. Emergirão aqui e acolá, ou permanecerão reprimidos às vezes pela vida afora.

Assim, preciso lidar com o que se apresenta, com a capacidade de compreensão que tenho no presente o que pode gerar subsídios para pequenas decisões, acesso a pequenas e novas alternativas e, principalmente, a possibilidades de desfazer nós e emaranhamentos que consomem tempo!

Tempo! Esta variável inegociável que perdida não retorna. Resolver e assentar nossas circunstâncias pode nos permitir transitar pelas novas circunstâncias sem o “elástico” que nos arrasta para o passado, nos arrancando abruptamente do presente e da visão lúcida da realidade objetiva.

Cada entendimento atualizado pode abrir portas para relacionamentos mais fluidos e ações mais coerentes e honestas. Compreender o meu funcionamento também pode gerar um olhar de compreensão às circunstâncias do outro e me dará recursos para saber o que fazer com o que se apresenta.

À medida em que identifico e entendo circunstâncias e sentidos, ampliarei o acesso à realidade objetiva. Hora de me dedicar a entender e envergar o meu propósito. Poderei então balizar minhas decisões a partir do quanto se aproximam ou distanciam do sentido central da minha vida. Dádiva! Uma construção de todos os dias, de decisão deliberada pela consciência.

Do meu propósito faz parte não ser refém das circunstâncias que não me pertencem, ou valores que violam meus princípios, ou ações que me constrangem, ou violências de qualquer natureza. Quanto mais consciente estiver, mais capaz serei de identificar e me aproximar ou fugir de circunstâncias que fortaleçam ou fragilizem meu propósito.

Maku de Almeida
Analista transacional. Escreve aos domingos.
Última atualização
23/5/2024 17:05

Gravidez entre vítimas de estupro pode aumentar com PL do aborto

Redação Cidade Capital
14/6/2024 10:10

Entre 1º de janeiro e 13 de maio de 2024, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque 100). A média foi de cerca de 60 casos por dia ou dois registros por hora, segundo a Agência Brasil.

Esses números podem piorar com a aprovação do Projeto de Lei 1.904/2024 e também aumentar os casos de gravidez indesejável entre crianças e adolescentes, especialmente meninas vítimas de estupro em situação de vulnerabilidade social. O alerta é de movimentos sociais e instituições que repudiam a proposta de alteração do Código Penal Brasileiro.

Dia mundial do doador de sangue: o que é preciso para doar

Redação Cidade Capital
14/6/2024 9:31

A auxiliar administrativa Larissa Régis, de 24 anos, doou sangue pela primeira vez aos 18 anos. “Fui motivada pelo desejo de ajudar as pessoas e fazer a diferença na vida do próximo. A ideia de que uma simples ação poderia salvar vidas foi um grande incentivo para mim”, diz Larissa.

Desde então, a jovem faz pelo menos uma doação de sangue por ano e planeja se tornar uma doadora regular para ajudar a manter os estoques em dia. “Acho muito importante manter esse compromisso. A ideia de ter uma carteirinha de doador é algo que me atrai, já que facilita o acompanhamento e reforça minha responsabilidade com a causa”, explica.