Corrida para a Prefeitura de Curitiba

Opinião

Redação do Enem traz à tona desafios a serem enfrentados sobre gênero e trabalho

Tema da redação do Enem 2023 discute sobre os "Desafios para o Enfrentamento da Invisibilidade do Trabalho do Cuidado Realizado pela Mulher no Brasil".Tema da redação do Enem 2023 discute sobre os "Desafios para o Enfrentamento da Invisibilidade do Trabalho do Cuidado Realizado pela Mulher no Brasil".
Paulo Pinto
/
Agência Brasil
Arilson Chiorato
17/11/2023 9:05

No Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2023, o tema da redação é um reflexo das preocupações sociais que atravessam a realidade brasileira: "Desafios para o Enfrentamento da Invisibilidade do Trabalho do Cuidado Realizado pela Mulher no Brasil". Esta temática traz à tona questões fundamentais sobre gênero, trabalho e desigualdade que demandam atenção urgente.

No Brasil, assim como em muitas partes do mundo, as mulheres desempenham um papel crucial na esfera do cuidado. Isso envolve tanto o trabalho não remunerado em casa quanto o trabalho remunerado nos setores de saúde e serviços sociais. Para entender a magnitude do desafio, é importante examinar dados e números relacionados ao tema.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que as mulheres brasileiras gastam, em média, 21,4 horas por semana em atividades domésticas, enquanto os homens dedicam apenas 10,9 horas. Além disso, as mulheres gastam cerca de 6,3 horas semanais a mais cuidando de filhos e outros dependentes em comparação com os homens. Isso evidencia uma distribuição desigual do trabalho de cuidado não remunerado e as mulheres carregam a maior parte do fardo.

As mulheres no Brasil também enfrentam desafios significativos quando se trata de sua participação no mercado de trabalho. De acordo com dados do IBGE, a taxa de participação das mulheres na força de trabalho em 2022 era de 56,5%, enquanto a dos homens era de 70,4%. Além disso, a diferença salarial entre homens e mulheres persiste, com as mulheres ganhando, em média, 20,5% a menos.

Essa disparidade de gênero no mercado de trabalho, muitas vezes, limita as oportunidades econômicas para as mulheres, que acabam aceitando trabalhos com remuneração menor e sem carteira assinada. Outras vezes apostam em atividades econômicas que consigam conciliar com a rotina de cuidado, como vendas de mercadorias e produtos. São microempreendedoras por necessidade e estão longe de serem reconhecidas como empresárias, pois não dispõe de qualquer estrutura.

Se por um lado a renda é escassa, por outro, o compromisso é grande. No Brasil, a quantidade de lares chefiados por mulheres é uma realidade preocupante. Segundo o IBGE, em 2020, 45% dos lares brasileiros eram chefiados por mulheres. 

A desigualdade de gênero e a sobrecarga de trabalho de cuidado enfrentadas pelas mulheres no Brasil têm implicações profundas para a saúde, bem-estar e desenvolvimento econômico. A invisibilidade do trabalho do cuidado realizado por elas é um reflexo de normas de gênero arraigadas e sistemas sociais que precisam ser reformulados.

O enfrentamento da invisibilidade do trabalho do cuidado realizado pela mulher no Brasil exige ações coordenadas em níveis governamentais, institucionais e individuais. Isso inclui políticas de licença parental equitativas, maior investimento em serviços de cuidado acessíveis e esforços para promover a igualdade de gênero no mercado de trabalho.

O tema da redação do ENEM 2023 destaca um desafio crítico que a sociedade brasileira enfrenta. Resolver a invisibilidade do trabalho do cuidado da mulher é um passo essencial para construir uma sociedade mais justa e igualitária, onde todos tenham oportunidades iguais de desenvolvimento e realização.

Última atualização
18/12/2023 10:34

'Memórias de chá', novo livro do CIS, ganha vida com homenagens e relatos

'Memórias de chá', novo livro do CIS, ganha vida com homenagens e relatos

Jane Hir
20/4/2024 9:27

Já faz algum tempo (acredito que esse seja um presente do envelhecimento) que venho aprendendo a saborear os momentos vividos. É como se relesse com atenção uma parte da história que ainda estou construindo.

Há duas semanas, escrevi sobre a apresentação do livro Memórias de chá, escrito pelas educandas do Centro de Integração Social (CIS). Nesse evento, uma cena se destaca entre as minhas lembranças: a diretora da unidade presta uma linda homenagem ao seu pai para representar, naquele momento, o leitor.

Pateta no trânsito: reflexões sobre raiva e autocontrole

Controlar o 'Pateta interno' pode transformar sua condução

Carolina Schmitz da Silva
20/4/2024 9:08

Na minha infância, lembro-me de assistir ao filme do Pateta no trânsito, uma animação da Disney na qual ele se transforma em uma pessoa raivosa ao dirigir. Aquela mudança de humor ao entrar em um carro me impressionava profundamente.

Agora, como adulta, vejo-me controlando meu Pateta interno e, em alguns momentos, percebo sua força crescer enquanto dirijo. Tendo consciência de quando ele domina, reconheço quão inadequado ele é.

Cidade Capital é um projeto de jornalismo.

47.078.846/0001-08

secretaria@cidade.capital