Corrida para a Prefeitura de Curitiba

Brasil

Mais de 172 mil alunos estão sem previsão de volta às aulas no RS

Cerca de 173 mil estudantes de 441 escolas da rede pública do Rio Grande do Sul estão sem data prevista para retorno às aulas.Cerca de 173 mil estudantes de 441 escolas da rede pública do Rio Grande do Sul estão sem data prevista para retorno às aulas.
Rafa Neddermeyer
/
Agência Brasil

Cerca de 173 mil estudantes de 441 escolas da rede pública do Rio Grande do Sul estão sem data prevista para retorno às aulas, segundo a Secretaria Estadual de Educação (Seduc-RS).

Conforme a pasta, 1.059 escolas foram afetadas pela catástrofe em 248 municípios. Algumas sofreram danos na infraestrutura, enquanto outras suspenderam suas atividades para servirem de abrigos temporários para famílias desalojadas. 

O Ministério da Educação (MEC) dispensou as escolas de ensino fundamental, médio e superior de cumprir o mínimo de dias letivos, desde que a carga horária anual mínima seja cumprida. A educação infantil foi dispensada de cumprir os dias efetivos e a carga horária mínima. 

Educação Infantil

Em Porto Alegre, 40 mil alunos da educação infantil estão retomando as aulas esta semana. Foram reabertas 26 unidades na segunda-feira (27), e outras 21 abrirão nos próximos dias. No total, a capital possui 80 mil estudantes na etapa infantil matriculados na rede pública, mantida pela prefeitura em unidades próprias e conveniadas. 

José Paulo da Rosa, secretário municipal de Educação, prevê que os outros 40 mil retornarão gradualmente. Três escolas foram completamente destruídas pelas enchentes nos bairros Humaitá, Sarandi e Ilha da Pintada, e precisarão ser reconstruídas ao custo de R$ 30 milhões.

"Eu acho que um dos grandes problemas da pandemia foi demorar muito no retorno às aulas. Nós estávamos ainda trabalhando em recuperar o déficit do aprendizado da pandemia. E quando nós temos esse problema com a enchente, demorar muito a retomar as atividades, eu acho que ia prejudicar os estudantes", afirma José Paulo da Rosa.

Um dos alunos que está feliz com o retorno é Martim Alexandre, do ensino infantil na Escola João Carlos D'ávila Martins Cortês. Sua mãe, Amanda Rocha Mendonça, comenta que a volta à rotina reduziu a agitação do filho. "Ele é autista, então sentiu bastante falta da escola, e está feliz em poder voltar, ter esse tempo com os coleguinhas, a professora", relata.

Última atualização
21/5/2024 11:29

Gravidez entre vítimas de estupro pode aumentar com PL do aborto

Gravidez entre vítimas de estupro pode aumentar com PL do aborto

Redação Cidade Capital
14/6/2024 10:10

Entre 1º de janeiro e 13 de maio de 2024, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque 100). A média foi de cerca de 60 casos por dia ou dois registros por hora, segundo a Agência Brasil.

Esses números podem piorar com a aprovação do Projeto de Lei 1.904/2024 e também aumentar os casos de gravidez indesejável entre crianças e adolescentes, especialmente meninas vítimas de estupro em situação de vulnerabilidade social. O alerta é de movimentos sociais e instituições que repudiam a proposta de alteração do Código Penal Brasileiro.

Dia mundial do doador de sangue: o que é preciso para doar

Dia mundial do doador de sangue: o que é preciso para doar

Redação Cidade Capital
14/6/2024 9:31

A auxiliar administrativa Larissa Régis, de 24 anos, doou sangue pela primeira vez aos 18 anos. “Fui motivada pelo desejo de ajudar as pessoas e fazer a diferença na vida do próximo. A ideia de que uma simples ação poderia salvar vidas foi um grande incentivo para mim”, diz Larissa.

Desde então, a jovem faz pelo menos uma doação de sangue por ano e planeja se tornar uma doadora regular para ajudar a manter os estoques em dia. “Acho muito importante manter esse compromisso. A ideia de ter uma carteirinha de doador é algo que me atrai, já que facilita o acompanhamento e reforça minha responsabilidade com a causa”, explica.

Brasil

Mais de 172 mil alunos estão sem previsão de volta às aulas no RS

Cerca de 173 mil estudantes de 441 escolas da rede pública do Rio Grande do Sul estão sem data prevista para retorno às aulas.Cerca de 173 mil estudantes de 441 escolas da rede pública do Rio Grande do Sul estão sem data prevista para retorno às aulas.
Rafa Neddermeyer
/
Agência Brasil

Cerca de 173 mil estudantes de 441 escolas da rede pública do Rio Grande do Sul estão sem data prevista para retorno às aulas, segundo a Secretaria Estadual de Educação (Seduc-RS).

Conforme a pasta, 1.059 escolas foram afetadas pela catástrofe em 248 municípios. Algumas sofreram danos na infraestrutura, enquanto outras suspenderam suas atividades para servirem de abrigos temporários para famílias desalojadas. 

O Ministério da Educação (MEC) dispensou as escolas de ensino fundamental, médio e superior de cumprir o mínimo de dias letivos, desde que a carga horária anual mínima seja cumprida. A educação infantil foi dispensada de cumprir os dias efetivos e a carga horária mínima. 

Educação Infantil

Em Porto Alegre, 40 mil alunos da educação infantil estão retomando as aulas esta semana. Foram reabertas 26 unidades na segunda-feira (27), e outras 21 abrirão nos próximos dias. No total, a capital possui 80 mil estudantes na etapa infantil matriculados na rede pública, mantida pela prefeitura em unidades próprias e conveniadas. 

José Paulo da Rosa, secretário municipal de Educação, prevê que os outros 40 mil retornarão gradualmente. Três escolas foram completamente destruídas pelas enchentes nos bairros Humaitá, Sarandi e Ilha da Pintada, e precisarão ser reconstruídas ao custo de R$ 30 milhões.

"Eu acho que um dos grandes problemas da pandemia foi demorar muito no retorno às aulas. Nós estávamos ainda trabalhando em recuperar o déficit do aprendizado da pandemia. E quando nós temos esse problema com a enchente, demorar muito a retomar as atividades, eu acho que ia prejudicar os estudantes", afirma José Paulo da Rosa.

Um dos alunos que está feliz com o retorno é Martim Alexandre, do ensino infantil na Escola João Carlos D'ávila Martins Cortês. Sua mãe, Amanda Rocha Mendonça, comenta que a volta à rotina reduziu a agitação do filho. "Ele é autista, então sentiu bastante falta da escola, e está feliz em poder voltar, ter esse tempo com os coleguinhas, a professora", relata.

Redação Cidade Capital
Última atualização
21/5/2024 11:29

Gravidez entre vítimas de estupro pode aumentar com PL do aborto

Redação Cidade Capital
14/6/2024 10:10

Entre 1º de janeiro e 13 de maio de 2024, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque 100). A média foi de cerca de 60 casos por dia ou dois registros por hora, segundo a Agência Brasil.

Esses números podem piorar com a aprovação do Projeto de Lei 1.904/2024 e também aumentar os casos de gravidez indesejável entre crianças e adolescentes, especialmente meninas vítimas de estupro em situação de vulnerabilidade social. O alerta é de movimentos sociais e instituições que repudiam a proposta de alteração do Código Penal Brasileiro.

Dia mundial do doador de sangue: o que é preciso para doar

Redação Cidade Capital
14/6/2024 9:31

A auxiliar administrativa Larissa Régis, de 24 anos, doou sangue pela primeira vez aos 18 anos. “Fui motivada pelo desejo de ajudar as pessoas e fazer a diferença na vida do próximo. A ideia de que uma simples ação poderia salvar vidas foi um grande incentivo para mim”, diz Larissa.

Desde então, a jovem faz pelo menos uma doação de sangue por ano e planeja se tornar uma doadora regular para ajudar a manter os estoques em dia. “Acho muito importante manter esse compromisso. A ideia de ter uma carteirinha de doador é algo que me atrai, já que facilita o acompanhamento e reforça minha responsabilidade com a causa”, explica.